Mestrado na Alemanha- Entrevista com a Jornalista Cristiane Wedel

Adriana Calado (AC) entrevista a Jornalista Cristiane Wedel (CW):

AC) Cristiane, por que você veio para a Alemanha?

CW) Amo viajar, adoro desafios e conhecer novas culturas. Como já estudava inglês e tinha curiosidade em aprender alemão, fiz a inscrição em duas agências de intercâmbio, uma para o Canadá e outra para a Alemanha. A agência alemã foi mais rápida e recebi o visto como “Au pair” para morar um ano com uma família alemã.

AC) Em qual cidade você mora e há quantos anos?

CW) Moro há 3 anos no Sul da Alemanha, na cidade de Böblingen perto de Stuttgart.

AC) O que fazia no Brasil? Trabalhava e/ou estudava?

CW) No Brasil estudei jornalismo durante 4 anos. Neste período, trabalhei na Rádio e TV bandeirantes, na Rádio Itatiaia, na Jornal Local “ Folha de Sabará e também em uma organização alemã, a “Kolping do Brasil”.

AC) Você, obviamente, fala alemão. Além desse idioma, domina algum outro?

CW) Sim, falo alemão. No Brasil estudei inglês e espanhol e hoje procuro aprofundar meus conhecimentos nesses idiomas.

AC) O que acha de Stuttgart?

CW) Gosto muito de Stuttgart. É a maior cidade do estado de Baden-Württemberg é famosa pelo Rio Neckar, pela natureza exuberante e é onde estão situadas as indústrias automobilísticas, como Mercedes-Benz, Porsche e a Bosch. A arquitetura no centro de Stuttgart, os castelos espalhados na região, o dialeto e as comidas típicas, como o “Spätzle” e “Maultaschen” são as “atrações” da cidade.

AC) Qual é o procedimento para se fazer um mestrado neste país? O seu diploma foi reconhecido? É um processo demorado e/ou complicado?

CW) É um processo um pouco burocrático, pois, são necessários vários documentos e todos devem ser traduzidos para o alemão. O meu diploma do Brasil foi reconhecido, por isso pude fazer o mestrado, mas é um processo longo. A maioria dos cursos de bacharelado do Brasil não são reconhecidos na Alemanha. Mais informações podem ser encontradas nos sites:

http://studieren.de/
http://www.study-in.de/de/

AC) Já falava alemão quando veio para cá?

CW)Eu não falava nada em alemão, mas em 2003, visitei alguns parentes na Alemanha e fiquei curiosa com o idioma. Assim realizei um curso de 3 meses de alemão e logo em seguida, voltei para o Brasil e somente fui voltar para Alemanha em 2009. Durante o tempo que estudei no Brasil, realizei algumas
aulas online no site da Deutsche Welle. Não conseguia falar nada em alemão, mas já entendia um pouco, foi assim, que consegui um trabalho em uma organização alemã, no Brasil, a Kolping.

AC) Achou o Mestrado difícil? Qual a maior dificuldade que enfrentou?

CW) O mestrado foi difícil, os professores são bem exigentes. Realizamos vários trabalhos científicos e práticos também, atuamos como jornalístas, mas também como “cientistas”. As apresentações de trabalhos e as provas não foram fáceis. A maioria do estrangeiro pensa, que após ter feito a prova de proficiência alemã (DSH), tem-se um conhecimento suficiente do alemão para entrar na universidade. Mas, quando se está na universidade, percebe-se, que não é bem assim. O nível do idioma alemão é muito mais elevado, os livros científicos não são fáceis para entender. Por isso é necessário muita dedicação e disciplina do aluno, caso contrário, ele é convidado a retirar-se do curso.

AC) Como era a recepção dos professores e colegas de sala, sentiu alguma dificuldade ou foi discriminada por ser estrangeira?

CW) Fui muito bem recebida na universidade. Éramos uma turma pequena, de apenas 25 alunos, nos divertíamos muito, sempre fazíamos churrascos e festinhas. E morávamos todos em repúblicas diferentes, a cidade de Tübingen é universitária, então, procurávamos sempre fazer coisas juntos. Era uma turma disciplinada e prestativa .

AC) Agora que terminou o mestrado, o que pretende fazer? Já trabalha na sua área?

CW)Pretendo sim atuar na área jornalística na Alemanha. Existem alguns projetos de trabalho aqui na Alemanha, nos quais estou atuando.

AC) Pretende um dia voltar a viver no Brasil?

CW) Agora não, ainda tenho muitas metas à cumprir na Alemanha.

AC) Pretende fazer algum outro curso ou até mesmo faculdade na Alemanha?

CW) Faculdade já fiz no Brasil, e mestrado já tenho na Alemanha, o próximo passo seria doutorado, mas isso seria a longo prazo.

AC) O que acha dos alemães?

CW)Na universidade aprendi a conviver muito com os alemães, e também sou casada com alemão, que é uma pessoa maravilhosa. Na UNI fiz amizades incríveis, super divertidas e animadas .No dia a dia, aprendi a lidar com a cultura alemã, eles não são “escandalosos”, como nós brasileiros, são mais reservados, muito prestativos, disciplinados e valorizam uma verdadeira amizade.

AC) Como os brasileiros e o Brasil é visto por eles (os alemães)?

CW)Quando trabalhei em uma Rádio alemã, fiz algumas entrevistas com intercambistas alemães e também uma sondagem de opinião, exatamente sobre o que os alemães pensam ou conhecem sobre o Brasil. Para aqueles, que nunca foram para o Brasil, as respostas foram clichês: O Brasil é um país de samba, futebol, sol, lindas mulheres, carnaval, favelas e floresta amazônica. Infelizmente, a
maioria dos alemães não conhecem o Brasil, somente os clichês, que é o que a mídia alemã mostra. Já as respostas daqueles, que realizaram um intercâmbio, as respostas foram incríveis, eles possuem uma visão concreta sobre a política no Brasil, sobre economia, tecnologia, prolemas sociais e avanços políticos do Brasil. Além disso, conhecem a história do povo brasileiro. Pois, a maioria dos intercambistas viajaram para diferentes regiões do Brasil, e souberam falar dos regionalismos, da característica típica do povo de cada região. Eles acham o povo brasileiro muito receptivo, alegre e amável.

AC) Que dicas daria para quem, como você, pretende estudar ou morar fora?

CW)Pesquisem muito sobre o país, sobre a cultura, sobre as formas de intercâmbio, leiam bastante, conversem também com pessoas que fizeram intercâmbio, que estudaram em outro país. Quanto mais conhecimento e informação, melhor é a sua adaptação .:-)

Obrigada, Cristiane, um abraço de toda Equipe Latino Szene TV! Boa sorte pra você e sucesso!

Leave a Reply